quinta-feira, 3 de março de 2011

MEUS AMORES DE OURO PRETO


Em Ouro Preto deixei dois saudosos amores

Que numa janela me esperavam todas as manhãs;

Mwana a fantasiadora e a sempre risonha Dolores.

Dois sorrisos, dois doces perfumes de romãs.


Por estes dois e grandes amores,

Em apertados nós ficou amarrado meu coração,

Sofrendo, sofrendo, oh! sofrendo horrores

Numa desnorteada batucada de comoção.


Jamais retornarei a desditoso Ouro Preto!

Sofrer tão grandes amores não é destino.

Em cada uma, um sorriso negro secreto,

Uma armadilha, uma ilusão, um eterno desatino.

1 comentário:

  1. ...assim mesmo é uma amor, nunca é óbvio e muito menos merecimento...

    ResponderEliminar